Bailarina Marot Badr vira referência no mundo digital e lança site para difundir mercado de ballet no Brasil

Crise fez com que engenheira civil e primeira bailarina da Petrouchka deixasse planilhas e números para se dedicar ao Ballet Clássico em período integral

Marot Badr (Foto: Divulgação)

A paixão que nutre pelo Ballet desde os quatro anos fez com que Marot Badr passasse a documentar seus ensaios e treinamentos desde o surgimento de sua página no Instagram. Ao notar uma demanda por informações relacionadas à dança clássica, a bailarina acabou sendo a responsável por dar os primeiros saltos no palco das redes sociais.

Hoje, ao lado de nomes consagrados, é uma das principais influenciadoras digitais sobre o tema e se prepara para dar um “fouetté” ao lançar o primeiro site com pronta entrega especializado em venda de roupas e assessórios relacionados ao universo. O lançamento da plataforma digital acontece na sexta-feira, 1º de setembro, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e contará com a presença de grandes nomes do Ballet Clássico brasileiro. A página comercializará roupas e acessórios para Ballet de marcas renomadas, como Petipá, Capézio e Ana Botafogo.

“É muito difícil encontrar dicas e orientações sobre Ballet clássico na internet, acredito que por causa da cultura rígida em torno da dança. Notei essa carência ao começar a publicar nas redes sociais e receber muitas perguntas e dúvidas de bailarinas. Por isso decidi me profissionalizar nas redes sociais, para facilitar o acesso ao universo, seja em relação a compra de assessórios ou sobre movimentos e treinamentos”, afirma Marot, hoje com mais de 34 mil seguidores no Instagram.

Mudança de foco

Quem vê a harmonia entre flexibilidade e leveza de suas performances nas redes sociais não imagina que Marot chegou a trabalhar por dois anos como engenheira civil, após se formar pela PUC-RJ. Por conta da crise econômica, no entanto, ela e a maioria dos funcionários acabaram demitidos. Decidida a prestar concurso público, a bailarina passou a conciliar as suas postagens e aulas de dança aos estudos.

Em pouco tempo, o contato sempre presente com os seguidores fez com que ela crescesse no meio digital, não apenas revelando técnicas e dicas, mas também sugerindo produtos que auxiliassem no desempenho dos adeptos à dança. Assim, recebeu propostas e aceitou parcerias com empresas especializadas para promover esse relacionamento e passou a ganhar, proporcionalmente, mais do que recebia como engenheira.

“A ideia de criar o site surgiu devido ao crescimento das demandas via Instagram, onde não consigo mais atender aos pedidos de todas as pessoas – houve um aumento considerável do interesse pelo Ballet clássico nas redes sociais, principalmente entre mulheres que começaram a dançar depois de adultas. Naturalmente, acabei virando uma consultora, fazendo com que as compras intermediadas por mim ficassem ainda mais interessantes. Nesse sentido, a criação do site profissionaliza o negócio e o leva a outro patamar”, conta Marot sobre o Maballet.com.br, que oferecerá produtos para pronta entrega, diferente dos demais sites do nicho.

“O diferencial é que tudo o que vendo no site passa pelo meu controle de qualidade. Eu testo o que indico, desde a calcinha própria para o Ballet até o couro que precisa ser colocado na sapatilha – e que, aliás, é muito difícil de encontrar. Espero assim poder facilitar a vida dos bailarinos e dar minha contribuição para o Ballet, que precisa cada vez mais ser valorizado no país”, completa Marot.

Comentários

comentários